A marcha da liberdade e as redes de protesto

Authors

  • Mariana Freitas Gomes de Oliveira

DOI:

https://doi.org/10.46814/lajdv3n2-013

Keywords:

ação coletiva, redes, acontecimento

Abstract

O objetivo deste artigo é apresentar a Marcha da Liberdade, orientando-nos,  principalmente, pelas informações produzidas pela imprensa. Em seguida, buscaremos  interpretá-la articulando os conceitos de acontecimento político e movimentos pós- socialistas de Maurizio Lazzarato, com uso de teorias complementares. Procuraremos, a  partir das noções de redes interativas e fluxos de Manuel Castells, evidenciar o papel  das cidades como nós para a organização deste tipo de protesto, materializando em suas  ruas e praças a reunião de um coletivo de pessoas que já estavam previamente reunidas  na internet. Concluímos com a ideia que este tipo de organização de protesto evita a  cristalização da agência coletiva em uma entidade burocratizada que se quer unificada,  promovendo a diversidade de pessoas e bandeiras.

Published

2021-05-03

How to Cite

DE OLIVEIRA, M. F. G. . A marcha da liberdade e as redes de protesto. Latin American Journal of Development, [S. l.], v. 3, n. 2, p. 647–662, 2021. DOI: 10.46814/lajdv3n2-013. Disponível em: https://latinamericanpublicacoes.com.br/ojs/index.php/jdev/article/view/251. Acesso em: 1 jul. 2022.