Ser feliz, é tudo o que se quer: saúde do trabalhador e precarização do trabalho

Authors

  • Dinael Corrêa de Campos

DOI:

https://doi.org/10.46814/lajdv3n1-001

Keywords:

felicidade, precarização, relação de trabalho, organizações

Abstract

Trata-se da questão da precarização do trabalho e da contribuição que a psicanálise pode oferecer para a compreensão dos fenômenos que acometem o trabalhador nas organizações. Define as organizações como espaço privilegiado do processo civilizatório - além da sociedade, evidente -, ressaltando ainda a importância do resgate do sujeito e sua subjetividade. Exemplifica uma organização que em sua prática pode tornar a saúde do trabalhador cada vez mais comprometida e aponta o que as organizações do futuro podem oferecer ao trabalhador para que esse encontre prazer na realização do seu trabalho com significado. O autor discorre ainda sobre a equação dos 8 C proposta de Zimerman, explicando como tal proposição pode explicar o dia a dia organizacional. Por fim aponta a necessidade do resgate do trabalho como uma das possibilidades da promoção do Eros a Thanatos para a felicidade dos trabalhadores.

Published

2021-02-25

How to Cite

CAMPOS, D. C. de . Ser feliz, é tudo o que se quer: saúde do trabalhador e precarização do trabalho. Latin American Journal of Development, [S. l.], v. 3, n. 1, p. 2–13, 2021. DOI: 10.46814/lajdv3n1-001. Disponível em: https://latinamericanpublicacoes.com.br/ojs/index.php/jdev/article/view/169. Acesso em: 28 jan. 2022.