A Metáfora na literatura Japonesa: uso de mimese e onomatopéia nos contos de Século XX

Authors

  • Tomoko Kimura Gaudioso

DOI:

https://doi.org/10.46814/lajdv2n6-003

Keywords:

Miyazawa Kenji, metáforas, autores japoneses modernos, onomatopéia

Abstract

Ao ler obras literárias japonesas, deparamos com freqüência em metáfora cujo seu uso possui conotação apelativa aos cinco sentidos do corpo. A língua japonesa caracteriza- se pela abundância de metáforas que recorre a sons, imagens e formas e estados das personagens e objetos, os quais podem classificá-los de onomatopéia e mimese. No cotidiano do povo japonês, o seu uso é freqüente na linguagem oral, ocupando o seu lugar como complemento nominal ou advérbio, sintetizando a mensagem de fala, o qual os escritores japoneses de diversas épocas recorrem a esse recurso para escrever suas obras. Alguns escritores como Miyazawa Kenji (1896 – 1933) recorreu ao uso abundante da metáfora, de modo que ao ler a sua obra, necessita “ativar” os cinco sentidos do corpo, ou seja, visão, olfato, tato, gosto e audição, proporcionando a sensação tridimensional do conteúdo do texto ao leitor. Ao estudar literatura japonesa já traduzida para a língua portuguesa, constatamos que as metáforas presentes na língua original simplesmente desaparecem ou são substituídas pela metáfora personificada ou sinestesia. Assim, a fim de compreender os textos que contenham metáforas em língua japonesa, se faz necessário identificar e pesquisar uma nomenclatura lexicológica ou outra expressão adequada em língua portuguesa, assim como outros recursos possíveis a fim de minimizar a omissão ou distorção das traduções de textos originais. O presente trabalho, atualmente em fase de leitura bibliográfica e de coleta de termos metafóricas dos contos e poemas de Miyazawa Kenji , tem como objetivo identificar e agrupar esses elementos miméticos, a fim de criar banco de dados das expressões metafóricas onomatopéicas e miméticas em língua japonesa. Em relação a representação de sons e estado físico-sensorial dos fenômenos da natutreza, tentou-se reproduzi-los utilizando o recurso da aplicação de silabário do alfabeto romano, em estilo Hepburn, de modo que no original, encontram-se escritos em silabário e ideogramas japoneses, alguns dos quais possuem identidade metafórica visual, poderão ser explanados em oportunidades futuras.

Published

2021-01-28

How to Cite

GAUDIOSO, T. K. . A Metáfora na literatura Japonesa: uso de mimese e onomatopéia nos contos de Século XX. Latin American Journal of Development, [S. l.], v. 2, n. 6, p. 352–362, 2021. DOI: 10.46814/lajdv2n6-003. Disponível em: https://latinamericanpublicacoes.com.br/ojs/index.php/jdev/article/view/115. Acesso em: 16 jan. 2022.