Flexibilidade cognitiva em idosos saudáveis: o efeito do nível educacional

Cognitive flexibility in healthy elderly: the effect of educational level

Authors

  • Beatriz Alice Leal da Silva Alves Rosa
  • Maria Victoria Perea-Bartolomé
  • Valentina Ladera-Fernandéz
  • Fátima Cristina da Silva Ribeiro Gameiro

DOI:

https://doi.org/10.46919/archv3n5-003

Keywords:

flexibilidade cognitiva, nível educacional, idosos saudáveis

Abstract

Este estudo teve como objetivo analisar o efeito da escolaridade na flexibilidade cognitiva em idosos saudáveis. Participaram voluntariamente 105 indivíduos, de ambos os sexos, com idade compreendida entre os 65 e os 88 anos e de diferentes níveis educacionais (baixo, médio, alto e sem escolaridade). O Mini Mental State Examination e o Inventário de Depressão de Beck foram aplicados para avaliar, respetivamente, o estado cognitivo e a depressão, e o Wisconsin Card Sorting Test foi utilizado para medir a flexibilidade cognitiva. As análises de covariância efetuadas demonstraram que o nível educacional exerceu um efeito principal no desempenho do WCST. Os idosos sem escolaridade e com nível educacional baixo, obtiveram resultados mais pobres nos indicadores de flexibilidade cognitiva que os participantes com nível educacional médio e alto. Estes resultados evidenciam o efeito positivo dos anos de escolaridade nos rendimentos neuropsicológicos em indivíduos saudáveis.

Published

2022-08-01

How to Cite

ROSA, B. A. L. da S. A. .; PEREA-BARTOLOMÉ, M. V. .; LADERA-FERNANDÉZ, V. .; GAMEIRO, F. C. da S. R. . Flexibilidade cognitiva em idosos saudáveis: o efeito do nível educacional: Cognitive flexibility in healthy elderly: the effect of educational level. Archives of Health, [S. l.], v. 3, n. 5, p. 673–683, 2022. DOI: 10.46919/archv3n5-003. Disponível em: https://latinamericanpublicacoes.com.br/ojs/index.php/ah/article/view/1127. Acesso em: 11 aug. 2022.